A assassina supersticiosa que transformou suas vítimas em sabão. Com o sangue delas, fazia bolos.

Se você procurar pelo nome Leonarda Cianciulli no site do Museo Criminologico de Roma, dará conta que era conhecida por: “la Saponificatrice di Correggio” que em tradução livre significa algo como: “a saboneteira de Correggio”.

Porém, o que pode existir de tão sinistro sobre uma fabricante de sabão? Bom, a verdade é que ela fez sabão a partir dos restos mortais de pelo menos uma de suas vítimas … e depois ofereceu as barras de sabão a seus amigos.

Leonarda Cianciulli

Isso mesmo: vítimas. Leonarda não assassinou apenas uma mulher, matou três, entre 1939 e 1940. O motivo, aparentemente, tinha natureza supersticiosa. Ela foi assombrada pela premonição de uma vidente, que lhe disse que todos os seus filhos iriam morrer. Aparentemente, esta premonição ficou perigosamente muito próxima de ser verdadeira; O famoso website Murderpedia reporta que Leonarda esteve grávida 17 vezes e que 13 de seus filhos faleceram, incluindo 3 abortos espontâneos.

De alguma forma, ela desenvolveu a crença de que tinha que sacrificar outras almas como forma de uma espécie de “magia negra” e que em troca teria a vida de seus filhos protegida, incluindo Giuseppe, seu filho favorito, que tinha acabado de se juntar ao exército italiano por causa da guerra que se aproximava.

Leonarda Cianciulli

Como reporta a BBC, Leonarda era uma comerciante muito apreciada na cidade de Correggio. Mas ela não conseguiu resistir a perseguir seu plano diabólico. Três clientes que também eram amigas caíram em sua armadilha; As mulheres foram drogadas e depois “despachadas” com um machado. A primeira, Faustina Setti, acreditava que Leonarda lhe tinha encontrado um marido. Mas isso não foi, de todo, o que aconteceu, e nós temos as palavras da própria Leonarda citadas do seu livro de memórias:

“Joguei os pedaços em uma panela, adicionei sete quilos de soda cáustica  (que havia comprado para fazer sabão) e misturei até que os pedaços se dissolvessem e tudo se transformou numa massa espessa e escura, a qual separei em vários recipientes e deitei dentro de um tanque séptico. (…) Quanto ao sangue na bacia, esperei que coagulasse, aqueci-o no forno, misturei com farinha, açúcar, chocolate, leite e ovos, adicionei um pouco de margarina, amassando todos os ingredientes. Fiz vários bolos crocantes para o café da tarde e servi-os às damas que vieram visitar-me, ainda que Giuseppe e eu também os tenhamos comido”.

Ela também ficou, alegadamente, com as economias de vida de Faustina. Mas não se ficou por aqui. Mais tarde, ela roubou, assassinou e descartou de forma semelhante Francesca Soavi. Que acreditava que Leonarda lhe tinha encontrado um trabalho como professora. Também tirou a vida de Virginia Cioppo, que caiu no mesmo truque e era mais rica que as outras duas mulheres juntas.

Mas o destino final de Cacioppo foi o mais arrepiante:

Palavras de Leonarda:

“Ela acabou no pote, como as outras duas … sua carne era gorda e branca, quando derreteu, adicionei uma garrafa de água de colônia e, depois de um longo período de fervura, consegui fazer um sabão cremoso mais aceitável. Ofereci as barras de sabão aos vizinhos e conhecidos. Os bolos também eram melhores: aquela mulher era muito doce.”

Foto/Reprodução

O “pote”, aliás, foi exibido no Museo Criminologico, juntamente com outros itens relacionados ao caso.)

A cunhada da vítima informou a polícia de sua ausência e contou-lhes que a última pessoa que tinha visto com ela era Leonarda. Ela confessou, mas nunca se desculpou por suas ações.

Foto/Reprodução

Foi sentenciada a 30 anos de cadeia e 3 anos de asilo. Morreu aos 76 anos, enquanto continuava presa no asilo.

Leonarda Cianciulli

Fonte: Gizmodo

COMPARTILHAR